sábado, 12 de maio de 2012

Proclamai


Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que proclameis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.” – IPe. 2:9

Esta sempre foi a nossa missão na terra – proclamar um evangelho eterno a todos que habitam na terra, para que temam, adorem e rendam gloria a Deus. “E vi outro anjo voando pelo meio do céu, e tinha um evangelho eterno para proclamar aos que habitam sobre a terra e a toda nação, e tribo, e língua, e povo.” -  Ap. 14:6. Não podemos deixar de brilhar,  deixar de proclamar o evangelho. A igreja viva é a igreja que proclama todos os dias as grandezas do Senhor. A natureza, os animais, os astros, toda criação proclama e exalta a gloria de Deus.  Todos nós ouvimos a canção de beleza e perfeição da natureza, que exalta o criador.  Assim também, a canção da salvação, deve ecoar nos quatro cantos da terra, nas vidas daqueles que  amam a Deus. Não podemos esconder uma cidade sobre um monte, mas podemos apagar as luzes desta cidade. A cidade estará lá sobre o monte, mas viverá em trevas. Temos que caminhar nesta terra como caminhou Jonas no meio da grande cidade de Nínive. “Pela segunda vez veio a palavra do Senhor a Jonas, dizendo: Levanta-te, e vai à grande cidade de Nínive, e lhe proclama a mensagem que eu te ordeno.” Não durmamos enquanto Deus nos envia, enquanto se forma a tempestade, ate sermos lançados no mar da indiferença, na tristeza do ventre do peixe, na escuridão do abismo da terra. Não esperemos ele nos mandar segunda vez. Temos que dar as costas para o mundo, assim como fez Ló ao sair de Sodoma, para não sermos contaminados.  Devemos rejeitar e odiar o pecado, assim como Daniel rejeitou as iguarias e honras da Babilônia, santificando-se a Deus. Não podemos nos calar, ao ponto que eles não vejam a luz brilhar em nós, até sumirmos no meio da multidão, ate tomarmos a sua forma. A igreja viva, é uma igreja que proclama, que prega, que é cheia de alegria e frescor da vida de Deus. A igreja viva, não vive com o corpo inteiro no mundo e com um pé nos cultos de domingo.  A igreja de Cristo se distingue na escuridão como a lua cheia, como loucos por Deus, como estranhos e peregrinos, como quem está no mundo, mas não vive para ele. Como quem ajunta tesouros no céu. Não podemos ser encontrados dormindo, sonolentos, embriagados com o vinho deste mundo, enquanto o noivo se prepara para sair dos seus aposentos; mas “irrepreensíveis em santidade diante de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus com todos os seus santos.” - I Tes.3:13  
“Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca proclamará o teu louvor.” – Sl. 51:15 . “Para sempre te louvarei, porque tu isso fizeste, e proclamarei o teu nome, porque é bom diante de teus santos.” – Sl. 52:9. “Os justos florescerão como a palmeira, crescerão como o cedro no Líbano. Estão plantados na casa do Senhor, florescerão nos átrios do nosso Deus. Na velhice ainda darão frutos, serão viçosos e florescentes, para proclamarem que o Senhor é reto. Ele é a minha rocha, e nele não há injustiça.” – Sl. 92:12-15.
Acorda, chora, clama, busca e brilha - meus eleitos, sacerdotes reais, povo separado para Deus, adquiridos pelo precioso sangue de Cristo, para que proclameis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.

Meditações da Palavra - dpc - 07.05.2012.