sexta-feira, 6 de julho de 2012

A ÚLTIMA CEIA



 "Muitos não sabem, quais foram as últimas coisas que JESUS, o filho de Deus, fez na terra pouco antes de ser entregue para ser torturado, espancado, humilhado, na noite em que foi traído. Ele foi jantar com os seus discípulos em particular. Depois de comer com eles, ele, tirou sua roupa de cima, se cingiu com uma toalha e passou a lavar os pés dos seus discípulos. [Serviço que só os escravos faziam aos seus senhores.] Esta atitude de Jesus, surpreendeu e marcou profundamente, de uma vez por todas a vida daqueles homens [e as nossas tambem], pois eles não sabiam que era a última refeição com o mestre e os últimos momentos de intimidade com o Salvador da humanidade e criador de todo o universo, escondido dentro de um Judeu comum, com uma humildade que nos faz corar de vergonha guando olhamos para nós mesmos. O Deus eterno, que se fez carne e espontaneamente resolveu vir ate este mundo, para morrer por nós, estava pouco antes de sua morte, deixando sua marca registrada - A HUMILDADE e o AMOR! E mais ainda...lavou os pés de Judas que o traiu. Antes de saírem daquele lugar para irem para o Jardim do Getsemani, a Bíblia nos relata outra coisa interessante - fala que eles cantaram um HINO e depois se foram. 
A morte nunca abalou e jamais poderia abalar a divindade do Messias. Mesmo diante dela, havia espaço para ELE mostrar toda a profundidade do seu amor por nós, sua alegria, sua simplicidade e convicção plena de sua missão que estava terminando. Jesus não estava chorando, mas cantando com eles um hino que certamente falava da sua vitoria eterna, que antecipadamente Ele já podia comemorar. 
Meditemos na nossa fragilidade, na nossa pequenez, na nossa miséria. Precisamos aprender com os exemplos de um carpinteiro de Nazaré, do Homem-Deus, que mudou o mundo inteiro e quer mudar o nosso coração. Pouca coisa é necessária para sermos felizes. Primeiro, devemos descer desse nosso tijolinho de ilusões e ansiedades, e depois irmos ate aos pés do mestre e conhecer o seu tão grande e maravilhoso amor."

- Daniel Prado Carneiro - 02.07.2012