quinta-feira, 1 de novembro de 2012

NADA HÁ QUE TE SEJA DEMASIADO DIFICIL!?

“A palavra que veio a Jeremias da parte do Senhor, no ano décimo de Zedequias, rei de Judá, o qual foi o décimo oitavo de Nabucodonosor. Ora, nesse tempo o exército do rei de Babilônia cercava Jerusalém; e Jeremias, o profeta, estava encerrado no pátio da guarda que estava na casa do rei de Judá.” – Jeremias 32:1,2.
Jeremias estava preso. Jerusalém sitiada. Mas Deus manda Jeremias comprar um campo antes mesmo do povo ir para o cativeiro que duraria 70 anos. A maioria daquela geração  jamais voltaria a ver Jerusalém. Jeremias se submete a profecia e vontade do Senhor e diz: “E depois que dei a escritura da compra a Baruque, filho de Nerias, orei ao Senhor, dizendo: Ah Senhor Deus! Eis que tu fizeste os céus e a terra com o teu grande poder, e com o teu braço estendido; nada há que te seja demasiado difícil.” – Jer.32:16,17
Deus responde com uma pergunta, a afirmação que na verdade era ainda uma dúvida, feita na oração do profeta, com o coração cheio de tristeza, pois sabia da grandeza de Deus, mas ainda não estava entendendo completamente o que Deus estava querendo dizer. “Eis que eu sou o Senhor, o Deus de toda a carne; acaso haveria alguma coisa demasiado difícil para mim?” – Jer. 32:27
Jeremias na sua oração diz que Deus tirou o povo Israel do Egito com braço forte e deu-lhes a terra que mana leite e mel, “E entraram nela, e a possuíram, mas não obedeceram à tua voz, nem andaram na tua lei; tudo o que lhes mandaste que fizessem, eles não o fizeram; por isso ordenaste lhes sucedesse todo este mal. Eis aqui os valados; já vieram contra a cidade para tomá-la, e a cidade está entregue na mão dos caldeus, que pelejam contra ela, pela espada, pela fome e pela pestilência; e o que disseste se cumpriu, e eis aqui o estás presenciando. Contudo tu me disseste, ó Senhor Deus: Compra para ti o campo por dinheiro, e faze que o confirmem testemunhas, embora a cidade já esteja entregue na mão dos caldeus. Então veio a palavra do Senhor a Jeremias, dizendo: Eis que eu sou o Senhor, o Deus de toda a carne; acaso haveria alguma coisa demasiado difícil para mim?”  - Jer. 32:23-27
Deus estava julgando o seu povo, mas ao mesmo tempo estava também profetizando o bem futuro que traria ao seu povo, não invalidando as suas promessas passadas, quando diz: “Eis que eu os congregarei de todas as terras, para onde os tenho lançado na minha ira, e no meu furor, e na minha grande indignação; e os tornarei a trazer a este lugar, e farei que habitem nele seguramente. E eles serão o meu povo, e eu lhes serei o seu Deus; E lhes darei um mesmo coração, e um só caminho, para que me temam todos os dias, para seu bem, e o bem de seus filhos, depois deles. E farei com eles uma aliança eterna de não me desviar de fazer-lhes o bem; e porei o meu temor nos seus corações, para que nunca se apartem de mim. E alegrar-me-ei deles, fazendo-lhes bem; e plantá-los-ei nesta terra firmemente, com todo o meu coração e com toda a minha alma. Porque assim diz o Senhor: Como eu trouxe sobre este povo todo este grande mal, assim eu trarei sobre ele todo o bem que lhes tenho declarado. E comprar-se-ão campos nesta terra, da qual vós dizeis: Está desolada, sem homens, sem animais; está entregue na mão dos caldeus. Comprarão campos por dinheiro, e assinarão as escrituras, e as selarão, e farão que confirmem testemunhas, na terra de Benjamim, e nos contornos de Jerusalém, e nas cidades de Judá, e nas cidades das montanhas, e nas cidades das planícies, e nas cidades do sul; porque os farei voltar do seu cativeiro, diz o Senhor.” – Jer. 32:37-44

Daniel Prado Carneiro – 30.10.12