segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

APASCENTAR OU ENTRETER?


“Disse-lhe terceira vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? [...] Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo. Jesus disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas” (João 21:17)
 

“...tive por necessidade escrever-vos e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos”(Judas 1:3)
 
“Lembra-te de onde caístes, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras” (Apocalipse 2:5)

 

A paz do Senhor Jesus, amados irmãos e amigos! Hoje vivemos o que podemos chamar de “tempo do fim”. Muitas profecias a respeito da volta de Jesus estão cumpridas. Mas, as que mais nos afetam, são as que se relacionam à Igreja de Cristo que, como Corpo, sofre com “doenças” espirituais, heresias e, principalmente, uma desenfreada apostasia.
Um mal está sendo semeado (já a muito tempo) no campo do Senhor, tão grosseiro em seu descaramento, que até o mais míope dificilmente deixaria de notá-lo durante os últimos anos. Ele se tem desenvolvido em um ritmo anormal, mesmo para o mal. Ele tem agido como fermento até que toda a massa levede. O nosso adversário raramente fez algo tão engenhoso quanto sugerir à Igreja que parte de sua missão é prover entretenimento para as pessoas, com vistas a ganhá-las. Eis aí o que podemos chamar de “Cristianismo Moderno”.
“Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca. Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu; Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas. Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te. Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo. Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas” (Apocalipse 3:15-22)
Da pregação sem firulas e com conteúdos espirituais como o arrependimento, transformação de vida, vida eterna, salvação, arrebatamento, juízo, etc., como faziam muitos fiéis a Cristo (e como fazem poucos hoje), a Igreja gradualmente baixou o tom de seu testemunho, e então tolerou e desculpou as frivolidades da época. Em seguida ela as tolerou dentro de suas fronteiras. Agora as adotou sob o argumento de atingir as massas. Vemos aí o “crescimento (inchaço) evangélico”.
Prover entretenimento para as pessoas não está dito em parte nenhuma das Escrituras como sendo uma função da Igreja. Se este é um trabalho Cristão, porque Cristo não falou dele?
"Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura." (Marcos 16:15). Isto está suficientemente claro. Assim teria sido se Ele tivesse adicionado "e proporcionem divertimento para aqueles que não tem prazer no evangelho." Nenhuma destas palavras, contudo, são encontradas. Não parecem ter-lhe ocorrido.
Então novamente,
"E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores... para a obra do ministério" (Efésios 4:11-12). Onde entram os animadores? O Espírito Santo silencia no que diz respeito a eles. Foram os profetas perseguidos porque divertiram o povo ou porque o rejeitaram? Em concerto musical não há lista de mártires.
Além disto, prover divertimento está em direto antagonismo com o ensino e a vida de Cristo e de todos os seus apóstolos. Qual foi a atitude da Igreja quanto ao mundo?
"Vós sois o sal" (Mateus 5:13), não o doce açucarado - algo que o mundo irá cuspir e não engolir. Curta e severa foi a expressão: "deixa os mortos sepultar os seus mortos." (Mateus 8:22) Ele foi de uma tremenda seriedade.
Se Cristo introduzisse mais brilho e elementos agradáveis em Sua missão, ele teria sido mais popular quando O abandonaram por causa da natureza inquiridora de Seus ensinos (veja na postagem:
“O DISCURSO DE JESUS” http://palavraserio.blogspot.com.br/2012/04/o-discurso-de-jesus.html).
Eu não O ouvi dizer: "Corra atrás destas pessoas, Pedro, e diga-lhes que nós teremos um estilo diferente de culto amanhã, um pouco mais curto e atraente, com pouca pregação. Nós teremos uma noite agradável para as pessoas. Diga-lhes que certamente se agradarão. Seja rápido Pedro, nós devemos ganhar estas pessoas de qualquer forma." Jesus se compadeceu dos pecadores, suspirou e chorou por eles, mas nunca procurou entretê-los.
Em vão serão examinadas as Epístolas para se encontrar qualquer traço deste evangelho de entretenimento! A mensagem delas é:
"Saia, afaste-se, mantenha-se afastado!" É patente a ausência de qualquer coisa que se aproxime de uma brincadeira. Eles tinham ilimitada confiança no evangelho e uma experiência íntima com a OBRA do Espírito Santo e com os recursos da Graça e não empregavam outra arma.
Após Pedro e João terem sido presos por pregar o evangelho, a Igreja teve uma reunião de oração, mas eles não oraram:
"Senhor conceda aos teus servos que através de um uso inteligente e perspicaz de inocente recreação possamos mostrar a estas pessoas quão felizes nós somos." Se não cessaram de pregar a Cristo, não tiveram tempo para arranjar entretenimentos. Dispersos pela perseguição, foram por todos lugares pregando o evangelho. Eles colocaram o mundo de cabeça para baixo (Atos 17:6). Esta é a única diferença! Senhor, limpe as igrejas de toda podridão e refugo que o adversário de nossa alma lhe tem imposto, e traga a muitos de volta ao primeiro amor (inclusive eu).
A igreja Fiel de Cristo tem hoje uma ênfase forte e desafiadora conforme foi na “Primeira Igreja” onde a ênfase era: “O Jesus crucificado vive” (era uma mensagem de fé e de testemunho). Hoje, a “última Igreja” (a Noiva) se prepara para o encontro com Cristo e diz: “Maranata! O Senhor Jesus vem!” e, pregar essa mensagem (profética) não implica uma amizade com o mundo e, muito menos, a associação com as coisas que a ele pertence para “salvar vidas”. A herança da Igreja verdadeira de Cristo (que pode ser qualquer igreja que aceite o compromisso com a sua mensagem e com seu Santo Evangelho) é espiritual e nossas armas, por conseguinte, são também espirituais. O momento não é de teatros gospels, rock, samba, funk de Cristo, mas de seriedade e preparo. O fundamento de nossa fé está em Cristo (somente) e o fundamento de sua Igreja está na fé. Nossa vida eclesiástica deve estar fundamentada no Corpo e no Sangue de Cristo, pois o momento é de saída desse Egito e não de festa. O louvor e a alegria existem e fazem parte desse momento de vitória da Igreja, mas nossa alegria expressa uma alma remida e não uma “mera satisfação”. Igreja é lugar de transformação de vida e, para sermos enfáticos aqui, é lugar de preparo para o Grande Dia do Senhor.
Concluindo, a missão de entretenimento falha em realizar os fins desejados. Ela produz destruição entre os novos convertidos. Ela não produz convertidos. A necessidade imediata para muitos ministérios dos dias de hoje é crer na verdadeira espiritualidade e receberem a herança profética (contida na Palavra de Deus) que o Espírito Santo, mediante a Graça, oferece a TODOS as que desejam caminhar na fidelidade. A necessidade é de doutrina bíblica e experiência viva com um Deus vivo, de tal forma que coloque os homens em fogo.

Amém!