sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

O HOMEM NÃO ESTÁ ENGANADO

 Ao longo da história da humanidade em geral e de cada uma das nossas vidas em particular, Deus tem estabelecido testemunhos acerca d’Ele mesmo, da condição humana e do relacionamento entre ambos. Tais testemunhos, que no linguajar jurídico “citam” o homem, são exatamente os três a seguir:
1) A CRIAÇÃO:
               Romanos - 1: 20 “Porque os seus atributos invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis.”
(comparar Salmos 19:1, Atos 14:7, Atos 17:27-28).
A simples observação da Natureza que nos cerca, e de nós próprios, nos leva  a perceber a existência de uma “inteligência” que projetou e criou todas as coisas.  O funcionamento de mecanismos tão complexos quanto o do ouvido humano, as interações entre os ecossistemas do planeta inteiro, entre milhares de outros exemplos nos mostram que:
a) Há um Deus;
b) Este Deus que existe tem todo o poder sobre todas as coisas.
Uma invenção humana não é concepção de Deus, mas sim, uma tentativa de o homem retirar a existência de Deus de sua vida. 
Dentre todos os povos do mundo inteiro, nunca se descobriu um único povo  que não tivesse uma devoção religiosa. Isso nasce com o homem, e está no projeto de Deus.
Contudo, o testemunho da Criação é insuficiente para o homem e ele é logo levado à distorções supersticiosas e outras coisas que nada tem a ver com o projeto de Deus.
2) A CONSCIÊNCIA:
               Romanos  - 2: 14 a 16 “(porque quando os gentios, que não têm lei, fazem naturalmente as coisas da lei, eles, embora não tendo lei, para si mesmos são lei, pois mostram a obra da lei escrita em seus corações, testificando juntamente a sua consciência e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os), no dia em que Deus há de julgar os segredos dos homens, por Cristo Jesus, segundo o meu evangelho.”
O homem nasce com uma noção do que é certo e errado, pois comeu do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. Temos dentro de nós um critério que nasce conosco, mas ao longo da vida procuramos alterá-lo segundo as nossas conveniências. O contato com o pecado “queima” a consciência e traz insensibilidade.
Qualquer ser humano, em qualquer tempo e lugar teve esses dois testemunhos, e por eles serão julgados ao fim de tudo.
Obs: Isso não significa que tais pessoas salvar-se-ão a si mesmos, uma heresia. O novo testamento diz: “Ali estava a luz verdadeira, que alumia a todo homem que vem ao mundo” João 1: 9. Da mesma forma que Moisés só será salvo por Jesus, não pela lei, também todos os que viveram antes de Jesus só serão salvos por Ele, não pela “lei” escrita em seus corações.  O sangue do Cordeiro e só ele, nos dará acesso a eternidade com Deus.
3) A PALAVRA:
               Êxodo - 24: 4 “E Moisés escreveu todas as palavras do Senhor”.
               Êxodo - 31: 18 “E deu a Moisés, quando acabou de falar com ele no monte Sinai, as duas tábuas do testemunho, tábuas de pedra, escritas pelo dedo de Deus.”
A palavra divina foi escrita, lavrada de maneira a permanecer inalterável, como fiel critério de Deus.  Por isso precisamos da palavra escrita, de nossas Bíblias. Conhecer a palavra é o firme fundamento da nossa fé. Os dons e todos os milagres são extraordinários, mas eles devem ser julgados à luz da palavra.  O obreiro aprovado maneja bem a palavra, como espada afiada, que discerne as intenções do coração, deixando clara a intenção das nossas consciências.
A Palavra de Deus não é só a escrita, pois Jesus está vivo e fala (a Palavra revelada). Há diversas formas  pelas quais o Senhor nos fala, completa este terceiro e perfeito testemunho, que nos consola e exorta.

4) A OPERAÇÃO DA TRINDADE:
a) DEUS PAI                          - A obra criadora, o projeto inicial
b) ESPÍRITO SANTO              - A obra na consciência do homem, convencendo-o do pecado, do juízo e da justiça.
c) FILHO                 - “...e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus.” Apocalipse - 19: 13