segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

A TERRA QUE MANA LEITE E MEL - CRISTO


"Habitou Abrão na terra de Canaã...E disse o SENHOR a Abrão, depois que Ló se apartou dele: Levanta agora os teus olhos, e olha desde o lugar onde estás, para o lado do norte, e do sul, e do oriente, e do ocidente; Porque toda esta terra que vês, te hei de dar a ti, e à tua descendência, para sempre. E farei a tua descendência como o pó da terra; de maneira que se alguém puder contar o pó da terra, também a tua descendência será contada. Levanta-te, percorre essa terra, no seu comprimento e na sua largura; porque a ti a darei. Gênesis 13:12-17 ", e, finalmente, quando Abraão ficou em Hebrom, a Bíblia diz, em Gênesis 15.18: "Naquele dia fez o Senhor aliança com Abraão, dizendo: à tua descendência dei esta terra, desde o rio do Egito até o grande rio Eufrates." São estes os verdadeiros limites da terra prometida que o Senhor estabeleceu para sempre.

Jamais ninguém poderá tirar a terra dada a Abraão e sua descendência, pois Deus quem diz no texto acima quando chama Abraão: “...porque toda esta terra darei a ti e à tua descendência para sempre”. Ninguém jamais poderá separar o noivo da noiva. Nada nos separará do seu amor.

Já houve duas grandes dispersões ou diásporas judaicas, onde foram espalhados pelo mundo, perdendo a posse da terra prometida. A primeira com a deportação para a Babilônia em 586 a.C, por causa da sua rebeldia, e a segunda, no ano 70 d.C, quando o general Tito destrói Jerusalém de novo. Mas Deus é fiel e cumpre suas palavras. Depois de quase 2.000 anos em domínio estrangeiro, o povo judeu volta para uma pequena parte de sua terra, quando foi criado, depois da segunda guerra, o novo estado de Israel, em 14 de maio de 1948, através da ONU.

Umas das profecias mais surpreendentes e extraordinárias da fidelidade de Deus sobre os legítimos donos desta terra, (que vai do Egito ate o grande rio Eufrates, desapropriando diversas nações), diante do desânimo, da luta para manter a chama da esperança, do grande e longo sofrimento deste povo, (que simboliza também peregrinação cristã) é a palavra proferida por Ezequiel, quando o Senhor diz: “Portanto profetiza, e dize-lhes: Assim diz o Senhor Deus: Eis que eu abrirei os vossos sepulcros, e vos farei subir das vossas sepulturas, ó povo meu, e vos trarei à terra de Israel. E sabereis que eu sou o Senhor, quando eu abrir os vossos sepulcros, e vos fizer subir das vossas sepulturas, ó povo meu. E porei em vós o meu Espírito, e vivereis, e vos porei na vossa terra; e sabereis que eu, o Senhor, disse isto, e o fiz, diz o Senhor.” – Ez. 37:12-14

Podem até nos tirar a vida, mas a justiça, fidelidade e promessas de Deus jamais falharão aos judeus, cristãos, e a todos os povos, raças, famílias e pessoas que sofreram a injustiça dos homens. Sua promessa é tão poderosa, que fará com que eles ressurjam da morte para a vida e tomarão posse da terra que realmente lhes pertence, e a mais ninguém, pois é dádiva do Senhor Deus, para possessão eterna. Apesar de todas as injustiças, crueldades, matanças, perseguições, dispersões, o Senhor um dia se manifestará com braço forte e declarará ao mundo inteiro que foi Ele que deu a terra ao seu povo escolhido. E todas as nações se envergonharão e ficarão confundidos, quando Deus exaltar seu povo Israel grandemente diante de toda a terra. Todas as nações de dobrarão diante do Senhor e lhe prestarão culto. Por isso Deus disse a Abraão: “Visto que Abraão certamente virá a ser uma grande e poderosa nação, e nele serão benditas todas as nações da terra?” – Gen. 18:18.
A terra prometida simboliza Cristo em nós, e todas as suas riquezas insondáveis; e toda extensão e profundidade, que nossos olhos não podem alcançar, na grandiosa graça de Deus. Aleluia.

-Daniel Prado Carneiro – 03.02.13