segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

O SINAL DO PROFETA JONAS


Mateus 12: 38, 39


            Jesus é interpelado pelos fariseus, que pedem um sinal de sua parte, para que se disponham a crer nele, numa demonstração clara de incredulidade, ceticismo e dureza de coração.
                        Jesus compara aquele grupo de religiosos a uma geração má e incrédula, que, depois de tantos sinais e evidências da existência de Deus, ainda pede mais uma prova, simplesmente para satisfazer sua arrogância e soberba.
            As gerações atuais têm assumido a mesma posição de incredulidade. As pessoas têm se tornado materialistas ao extremo, se distanciando cada vez mais de uma vida de fé e confiança em Deus. Hoje em dia só se aceita aquilo que é lógico e racional, ou se pode comprovar cientificamente.
                        No entanto não faltam provas da existência e grandeza de Deus. O seu poder é notório através de tudo que foi criado (Salmo 19: 1; Romanos 1: 20). A harmonia e o equilíbrio de todas as coisas ao nosso redor, são suficientes para convencer o mundo inteiro de que o Senhor é real. Deus não está interessado em fornecer mais provas de sua existência, pois tudo que precisava ser feito para isso, já foi feito.
            A maior prova da realidade de Deus foi a manifestação de seu Filho, o Senhor Jesus, ao mundo, pois através dele Deus se fez homem e habitou entre nós (João 1: 14). Jesus foi a maior expressão da existência e do poder de Deus, de modo que não há necessidade e não existe sinal maior do que este.
            O sinal do profeta Jonas, que passou três dias e três noites no ventre do grande peixe, foi um sinal profético da morte e ressurreição do Senhor Jesus. Ele foi morto e sepultado, e ficou três dias e três noites sepultado no interior da terra, para depois ressuscitar. Este foi o sinal mais claro que o mundo poderia ter. Não há como se manter cético diante destes fatos; por isso não há desculpas para aqueles que insistem em não crer. Pedir outro sinal significa rejeitar tudo o que foi feito, e o que foi feito foi o máximo que Deus poderia fazer, pois Ele deu o seu único Filho para se revelar ao mundo e salva-lo.
            O homem agora precisa crer e receber o Senhor Jesus como seu Salvador. Ele precisa abrir o coração e aceitar a Palavra de Deus como a única verdade, firmando-se nela pela fé. Quando isso acontece, Deus se manifesta com profundidade na vida da pessoa. Ele é honrado quando se crê sem a necessidade de se ver antes, como queria Tomé. Jesus disse: “Bem-aventurados os que não viram e creram”.