domingo, 3 de fevereiro de 2013

OS SETENTA ANCIÃOS



Números 11: 25-29

            Durante a caminhada pelo deserto, ao sair do Egito, Moisés que conduzia o povo de Israel, achou seu cargo muito pesado. Por isso o Senhor orientou que setenta anciãos fossem escolhidos para auxiliarem Moisés nesta tarefe.
            Os setenta anciãos foram separados para ajudarem a Moisés, e o Senhor pôs do seu Espírito sobre eles, de modo que, a partir daquele dia passaram a profetizar. No entanto, por algum motivo, algum tempo depois, eles pararam de profetizar. O apóstolo Paulo escreveu aos Tessalonicenses, exortando-os a não extinguirem o Espírito (I Tess 5: 19), pois isto traria um grande prejuízo à vida espiritual. O Espírito Santo é muito sensível, e precisa de muito cuidado para manter sua chama acesa.
            Daqueles setenta anciãos, apenas dois continuaram profetizando. Seus nomes eram Eldade (Deus ama) e Medade (amor) e somente sobre eles o Espírito Santo permaneceu repousando.
            Infelizmente são poucos os que têm cultivado uma vida de profunda comunhão e amor pela  Obra do Senhor. Deus precisa de servos cheios do seu Espírito para realizar seu Projeto através de suas vidas. Jesus disse que o princípio básico de sua Obra seria o amor (ágape), e o apóstolo João afirmou que Deus é Amor, e aquele que ama tem o Espírito de Deus em sua vida (I Jo 4: 8, 12). A igreja precisa amar a Obra do Senhor, pois ela é a sua herança e o seu bem maior.
            Naqueles dias, a notícia acerca dos dois ancião que profetizavam, chegou aos ouvidos de Moisés, e Josué – movido por ciúmes, pensando que só Moisés podia profetizar – o aconselhou que proibisse Eldade e Medade de continuarem profetizando. Mas Moisés lhe respondeu: “Tomara todo o povo do Senhor fosse profeta, que o Senhor lhes desse o seu Espírito!”.
            A resposta de Moisés a Josué, é o reflexo da vontade do Senhor para seu povo em todos os tempos, principalmente nos dias de hoje. O profeta Joel disse que o Senhor derramaria do seu Espírito sobre toda a carne nos últimos dias. Hoje a igreja precisa da profecia, pois sem ela o povo se corrompe.
            No momento em que vivemos, quando a experiência do Culto Profético está em andamento, Deus quer usar seus servos e toda a sua igreja em profecia e outros dons, mas muitos pensam que só o pastor deve ter os dons, que só ele pode profetizar. Mas o Senhor quer usar a todos como instrumentos, através dos quais o seu Espírito há de fluir. O problema é que nem todos perseveram em cultivar uma vida de comunhão e intimidade com o Senhor, recebidas quando do Batismo com o
Espírito Santo, mas aos poucos a bênção vai se esvaindo e com ela a instrumentalidade.