"Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo." - II Cor. 11:3.

Esta palavra hoje é dirigida para a igreja que se reúne em todos os lugares, no mundo todo. Quando nos colocamos corporativamente diante de Deus com simplicidade, humildade e honramos o Senhor Jesus como o cabeça da Igreja, certamente, Ele vem e nos renova no seu amor. Precisamos muito uns dos outros. De cada irmão e irmã. Precisamos nos colocar numa posição de submissão, adoração, humilhação e busca por uma renovação espiritual. É necessário um exercitar constante desta liberdade entre todos os irmãos, colocando-os todos no mesmo nível de servos, filhos e adoradores e deixando assim livre o caminho para o MOVER OU AGIR DO ESPÍRITO SANTO, "pois aonde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade". O Senhor já nos deu e já nos revelou tudo na palavra. Precisamos apenas nos posicionar de maneira correta, e buscar compreender "com todos os santos" (Efésios), qual a vontade do Senhor. 
Quando o povo estava no deserto e já existia o primeiro tabernáculo, como quase dois milhões de pessoas acampavam no meio daquele terrível deserto? Eram quatro tribos de cada lado do tabernáculo, quatro ao oeste, quatro ao leste, quatro ao norte e quatro ao sul. Mas as doze tribos ficavam todas voltadas de frente para o tabernáculo, e de costas para tudo, para os inimigos, preocupações, tempestades de vento, oásis, comida, água, etc., pois o que importava agora era o tabernáculo, a morada de Deus, onde o próprio Senhor Jeová descia do céu, habitando e caminhando com eles dia a dia. O tesouro estava no tabernáculo, no santo dos santos. Eles tinham tudo de mais precioso que um mortal necessita nesta vida. Então todas as demais coisas da vida, eram secundárias, e perdiam naturalmente o seu falso valor, podendo ficar atras de nós, pois o grande tesouro, sentido, alegria e esperança de viver, estava na frente e no centro daquele povo. Dali pra frente Eles começaram a conhecer a Deus de outra maneira, como o Senhor dos Exércitos. Eles andavam, quando Deus andava. Iam para aonde Deus ia. Paravam, quando Deus parava, assim como Deus queria. 
Hoje, nós, a igreja de Cristo na terra, precisamos rever como estamos nos posicionando diante de Deus? Estamos lutando para diminuir o grande abismo criado entre o verdadeiro viver da igreja e o cristianismo corrompido e decadente de hoje? Temos dado as costas para o individualismo, cegueira, sofismas, falsas doutrinas, e estamos olhando firmemente para JESUS, o autor e consumador da nossa fé, como uma igreja corporativa, coletiva, firme no Senhor, cheia da palavra e do conhecimento da vontade do Senhor, onde todos são importantes para Deus? O apóstolo João, se estivesse vivo hoje, poderia escrever para nós, igreja em Paranavaí, Maringá, Londrina, Arapongas, Campo Mourão, Cascavel, assim como escreveu para os irmãos da sua época - "Eu vos escrevi, pais, porque já conhecestes aquele que é desde o princípio. Eu vos escrevi, jovens, porque sois fortes, e a palavra de Deus está em vós, e já vencestes o maligno."? - I João 2:14 - Todos os avivamentos começaram, com humilhação, pranto, clamor e joelhos no chão. Só assim, nossas forças serão renovadas no amor do Senhor e voaremos como as águias, nas alturas do Senhor. Correremos e não nos cansaremos. Caminharemos e não nos fatigaremos. Andaremos em meio ao desanimo, frieza, cegueira espiritual, e não seremos abalados. Antes, seremos luz e sal da terra. Seremos sacerdotes do Deus altíssimo. 
Seremos a verdadeira igreja, "forte, porque a palavra de Deus está em nós", e não olhamos para homens, nem para doutrinas, mas para o centro de tudo, pois "...Ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele. E ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência." - Colossenses 1:17-18 

- Daniel Prado Carneiro. - Maringá, PR. - 18.02.2013