sexta-feira, 25 de julho de 2014

O NEGÓCIO DE JACÓ COM DEUS


No primeiro encontro de Jacó com Deus, em Betel, ele não entendeu as promessas de Deus para a sua vida. Rapidamente, fez um negócio com Deus. Propôs que se Deus lhe desse pão para comer, vestidos para vestir e em paz voltasse à sua terra (casa de seus pais) o Senhor Deus seria o seu Deus. Colocou uma pedra como coluna e prometeu que de tudo que adquirisse daria o dizimo (10%). Nada melhor. Um excelente negócio. Coisa de muitos Jacós na atualidade. Oferecer a alguém que lhe dê TUDO e você devolve apenas 10% e, naturalmente fica com os outros 90%. A atitude de Jacó era desnecessária, pois ao analisar as promessas para a sua vida verifica-se que Deus havia prometido a ele muito além do pão, do vestido e da volta à sua casa.
No texto transcrito podemos conferir:
Eu sou o Senhor, o Deus de Abraão teu pai, e o Deus de Isaque. Esta terra em que estás deitado, darei a ti e à tua semente.
E a tua semente será como o pó da terra, e estender-se-á ao ocidente e ao oriente, e ao norte, e ao sul, e em ti e na tua semente serão benditas todas as famílias da terra.
Eis que estou contigo e te guardarei por onde quer que fores e te farei tornar a esta terra, porque te não deixarei até que tenha feito o que te tenho dito (Gênesis 28: 13 – 15).

Assim somos nós. Há promessas extraordinárias quando chegamos a Betel, na casa de Deus e colocamos os nossos pensamentos na Rocha (a Bíblia, a Palavra de Deus). As mesmas promessas feitas a Abraão, o que foi chamado e obedeceu, o pai da fé; Isaque, o filho da promessa, que foi preservado da morte e cujo nascimento foi um milagre; a terra – todas as riquezas necessárias para a nossa sobrevivência; e a benção da multiplicação das sementes: a VIDA ETERNA. A referência à semente é que ela tem uma vida intrínseca. Escondida no íntimo e assim somos nós. Temos algo maravilhoso no nosso coração que é a presença do Espírito Santo que nos une a eternidade. Felizes os que têm esta experiência maravilhosa.
Embora, haja estas promessas à nossa disposição, o confronto entre elas e os desejos do homem ainda continua. Mas, Deus promete a Jacó que não o deixaria, até que houvesse cumprido todas as suas palavras.
Conclui-se que Deus não é um deus de 10%. De negócios materiais e a sua casa (Igreja) não é balcão de negócios materiais, como se vê nestes últimos dias. Ele é um Deus de comunhão, da presença do Espírito Santo e de promessas Eternas: da salvação da alma. Assim, confie nele e coloque sua cabeça, sua mente, seus pensamentos, na Rocha Eterna e Ele falará do alto dos céus ao seu coração e você se apossará das promessas que foram feitas a Jacó, pois elas são extensivas a todos nós, que um dia entregamos o nosso coração a Jesus. Que o Senhor nosso Deus em muito nos abençoe.

joaoluizlani@gmail.com