sexta-feira, 14 de setembro de 2012

MARANATA II


“Se alguém não ama o Senhor Jesus Cristo, seja anátema; maranata!” (1Coríntios 16:22).
 

Dando continuidade a um texto há muito tempo publicado neste blog narro aqui alguns aspectos de suma importância para a compreensão de Anátema e Maranata.
A PALAVRA anátema (do Grego anathema) significa alguém que está sob maldição divina, condenado à destruição. O apóstolo Paulo revela a atitude, inspirada pelo Espírito Santo, de julgamento e indignação para com aqueles que procuram perverter o evangelho original de Cristo e mudar a verdade do testemunho apostólico. Igual atitude evidenciava-se em Jesus Cristo (Mt 23.13), em Pedro (2 Pe 2), em João (2 Jo 7-11) e em Judas (Jd 3.4,12-19), e se achará no coração de todo seguidor de Cristo que ama o seu evangelho, conforme é revelado na Palavra de Deus e crê que o evangelho é a imprescindível boa nova da salvação para o mundo perdido no pecado (Rm 10.14,15).
Malditos (“anátema”) são todos os que pregam um evangelho contrário à mensagem que Paulo pregava de acordo com a revelação que Cristo lhe dera (Gl 1.11,12). Quem acrescenta ou tira algo do evangelho original e fundamental de Cristo e dos apóstolos fica sujeito à maldição divina: “Deus tirará a sua parte do livro da vida” (Ap 22.18,19).
Deus ordena os crentes a defenderem a fé, a corrigirem os errados com amor (2 Tm 2.25, 26) e a se separarem dos mestres, pastores e outros que na igreja negam as verdades bíblicas fundamentais, ensinadas por Jesus e os apóstolos (Cl 1.8,9; Rm 16.17, 18; 2 Co 6.17).
O Senhor Jesus Cristo está voltando á terra. Para Paulo essa era uma esperança maravilhosa, o melhor que ele podia ansiosamente esperar. O apostolo não tinha medo de ver Cristo, na verdade, mal podia esperar para vê-lo! Você compartilha da ansiosa expectativa de Paulo? Aqueles que amam a Cristo estão esperando ansiosamente pela gloriosa ocasião de retorno (T2:12). Aquele que não ama ao Senhor, porem, Paulo diz: “seja anátema”.
 Anátema sejam as pessoas que falsificam o evangelho; Anátema seja o pregador que na Igreja, ou nos meios de comunicação manipulam o evangelho anunciado por Cristo e pelos apóstolos; Anátema seja o pastor, obreiro, diácono, presbítero, padre ou quem quer que esteja pregando a Palavra de Deus misturado com psicologia, filosofia ou tradições humanas; Anátema seja até mesmo se um anjo aparecer a alguém com evangelho adulterado. Anátema sejam a pessoa que usara popularidade, a revelação, a cura, sinais e milagres para enganar multidões com seu evangelho adulterado. (Mateus 24:11; Mateus 24:24; Mateus 7:22-23).
Anátema seja os pregadores que torna o evangelho agradável às pessoas a fim de terem Igrejas e bolsos cheios, aqueles que usam a persuasão para explorar as pessoas.
“Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema” (Gl 1.9).
Cuidado com o evangelho que você ouve! Estude bem a Bíblia para que ninguém te engane! Cuidado com os comentaristas, livros que você lê! Cuidado para não pregar um evangelho adulterado e falsificado! Cuidado para não ser usado pelo grande enganador (Satanás).
Mas permita que o Espírito Santo venha te usar, basta varrer o templo que está em seu coração e se entregar a Cristo e para isso você terá que morre para este mundo.
Maranata
Esta expressão está relacionada com uma das nossas crenças fundamentais, a Segunda Vinda de Cristo. Embora apareça no mesmo verso ao lado de anátema, não deve ser unida com ela como se fosse uma só frase. A expressão “Maranata” constitui-se num período após anátema.
Maranata aparece apenas uma vez na Bíblia, empregada por Paulo em I Coríntios 16:22. A Edição Revista e Atualizada no Brasil de João Ferreira de Almeida nos apresenta este verso com a seguinte redação:
“Se alguém não ama ao Senhor, seja anátema. Maranata.”
 A Bíblia na Linguagem de Hoje, com o mesmo escopo, de que aqueles que lêem as Sagradas Escrituras a entendam trazem a segunda palavra no original, porém apresentando a sua tradução:
“Quem não amar o Senhor, que seja amaldiçoado! Maranata’ – Venha, nosso Senhor!”
O vocábulo Maranata não é de origem grega nem hebraica, mas aramaica. Os estudiosos não nos sabem informar a razão de Paulo a haver empregado. O apóstolo conhecendo muitas línguas (I Cor. 14:18), era também bom conhecedor do aramaico e por alguma predileção por esta palavra, ele a empregou. Talvez possamos conjeturar que fosse uma expressão muito vulgarizada em seu tempo.
Conforme os comentaristas do Dicionário Enciclopédico da Bíblia, o fato de Paulo haver escrito em grego para cristãos de língua grega, usando esta fórmula aramaica, explica-se provavelmente pela suposição de que tal fórmula proveniente de uma comunidade de língua aramaica (provavelmente na Palestina), fazendo parte, talvez, de um hino ou de um formulário litúrgico, ficou conhecida e usada em todas as comunidades cristãs, assim como amém e aba.
“Esta fórmula é uma profissão de fé em Jesus como Senhor e na sua volta.” Dicionário Enciclopédico da Bíblia, Verbete – Maranata, págs. 937-938.
Qual o Significado de Maranata?
Dentre as alternativas propostas estas são as que mais se destacam:
1ª) De conformidade com o comentarista Buxtrof, a palavra em épocas bem afastadas de nós era usada em uma fórmula judaica de excomunhão.
“O vocábulo Maranata é encontrado em anátemas judaicos, de acordo com um epitáfio do V século proveniente de Salámis, Se alguém sepultar aqui outro cadáver, ao lado de nós dois preste conta a Deus, e seja anátema Maranata.” – Dicionário Enciclopédico da Bíblia, pág. 938.
2ª) Um grupo de estudiosos opina, com certa insistência, que este vocábulo foi usado no início da era Cristã como senha para os primitivos seguidores de Cristo. Esta explicação, embora plausível, não nos é comprovada por autoridades insuspeitas.
3ª) Consoante alguns etimologistas a palavra será decomposta da seguinte maneira: Mar = Senhor; an = nosso e athá = veio. Os três elementos constitutivos significam: O nosso Senhor veio.
Arnaldo Christianini nos informa o seguinte: Houve mesmo um escritor que, a respeito desta frase fez a seguinte observação: Os judeus que esperavam a vinda do Messias, diziam freqüentemente: Marãn! Marãn! (Senhor nosso! Senhor nosso!). E os cristãos lhes respondiam: Marãn-athá (O nosso Senhor já veio).
4ª) Outros estudiosos insistem que o sentido da frase não é passado, mas sim futuro, desde que a língua hebraica apresenta a seguinte característica, embora o verbo não esteja no futuro ele indica um futuro profético. Os crentes primitivos eram animados diante das lutas e adversidades com a expressão encorajadora – Marán-athá = O nosso Senhor virá.
5ª) Nesta classe se encontram aqueles que explicam a expressão Marán-athá, como sendo optativa, ou expressando um desejo; assim a traduziram: “O nosso Senhor, vem”. Ela nos transmite o mesmo desejo expresso pelo apóstolo João em Apoc. 22:20: “Ora vem, Senhor Jesus.”
6ª) A frase expressaria um apelo ou chamado para que os pecadores aceitassem a Cristo: Vem ao Senhor Jesus.
7ª) O vocábulo tem um sentido de advertência, diante da proximidade do retorno de Cristo: Nosso Senhor está vindo.
8ª) De acordo com o pesquisador Hommel “Maranata” significaria “Nosso Senhor é o sinal” ou “Nosso Senhor é alef e tau” (Primeiras e últimas letras do alfabeto hebraico; confira Apoc. 21:6). Esta explicação não teve muita acolhida.
Como acabamos de expor, é difícil apresentar com precisão o exato significado desta palavra aramaica, mas procurando captar o consenso geral dos estudiosos, podemos declarar que se trata de uma oração, particularmente usada por Paulo em suas saudações cristãs como o mais sublime e exultante testemunho da acariciada esperança na vinda do Senhor Jesus. (Fil. 4:5; Judas 5; Apoc. 1:7; 7:11).
Texto de autoria de Pedro Apolinário, extraído da apostila Explicação de Textos Difíceis da Bíblia.

Seja como for podemos ver que nesta passagem Paulo nos orienta a respeito do evangelho e da volta do Senhor Jesus Cristo que como nossos irmãos no passado aguardamos ansiosos por este dia maravilhosos aonde a Igreja, a noiva irá encontra o Senhor nos ares, rumo à nova Jerusalém.