segunda-feira, 8 de outubro de 2012

O Cristão e o Fuzil


Constantemente ouvimos cristãos e até não-cristãos proferirem interrogações tais como: 'pode um cristão portar arma?'; 'pode um cristão servir às Forças Armadas e de Segurança pública?'; 'pode um cristão matar?'
Deixemos as Escrituras Sagradas se pronunciarem. Em Romanos 13:1-5, o Apóstolo Paulo no deixou o seguinte ensinamento: 
"Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as que existem foram ordenadas por Deus.Por isso quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. Porque os magistrados não são motivo de temor para os que fazem o bem, mas para os que fazem o mal. Queres tu, pois, não temer a autoridade? Faze o bem, e terás louvor dela; porquanto ELA É MINISTRO DE DEUS para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus, e vingador em ira contra aquele que pratica o mal. Pelo que é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente por causa da ira, mas também por causa da consciência."
Analisando o texto supracitado, podemos concluir o seguinte:
A) A autoridade provém de Deus;
B) Quem resiste á autoridade, resiste a Deus;
C) A autoridade é Ministro de Deus;
D) A autoridade não traz debalde (em vão) a espada (o fuzil);
E) Devemos nos sujeitar às autoridades por causa da consciência.
Portanto, caro leitor, se um cristão se torna uma autoridade, ele pode portar arma sim, pois aquele que é autoridade, recebeu a investidura de Deus, pois "não há autoridade que não venha de Deus". Alguns poderiam argumentar que é melhor o cristão não ser militar ou policial. Ora, quem melhor teve oportunidade para lidar com uma situação dessa foi João Batista, conforme Lucas 3:14, onde lemos: "Interrogaram-no (a João Batista) também uns soldados: E nós, que faremos? Disse-lhes: A ninguém queirais extorquir coisa alguma; nem deis denúncia falsa; e contentai-vos com o vosso soldo", ou seja, não houve qualquer proibição para se abster do Serviço Militar, houve sim restrição quanto à corrupção. Qualquer proibição por parte de alguma organização religiosa quanto ao militarismo não possui amparo bíblico, pelo contrário, consubstancia insubordinação à autoridade, por conseguinte a Deus.
Alguns argumentam que a Bíblia diz "Não matarás", usando tal mandamento para fundamentarem que não pode um cristão trabalhar num emprego que faça uso de armas, pois ele poderia matar alguém, descumprindo assim o mandamento bíblico. Tal argumentação é totalmente improcedente, haja vista o mesmo Deus que disse " não matarás", logo em seguida disse: "Quando o Senhor teu Deus te houver introduzido na terra a que vais a fim de possuí-la, e tiver lançado fora de diante de ti muitas nações, a saber, os heteus, os girgaseus, os amorreus, os cananeus, os perizeus, os heveus e os jebuseus, sete nações mais numerosas e mais poderosas do que tu; e quando o Senhor teu Deus as tiver entregue, e AS FERIRES, TOTALMENTE AS DESTRUIRÁS; não farás com elas pacto algum, NEM TERÁS PIEDADE DELAS" - Deuteronômio 7:1,2.
Pode-se arrazoar qualquer explicação para essa ordem divina, mas não podemos deixar de ver que foi uma ordem de matança, sem piedade, foi um verdadeiro genocídio, um extermínio total de crianças, velhos, mulheres e homens. Como explicar essa "contradição" da parte de Deus? Caro leitor, não há qualquer contradição da parte de Deus.
A explicação é simples, elementar, pois a proibição de matar é individual, ou seja, não é porque eu não goste de fulano ou sicrano que eu possa ir lá e disparar minha arma contra sua cabeça, isso é totalmente proibido por Deus, mas a ordem de genocídio contra os cananeus foi dada a Israel para ser posta em prática pelo Estado hebreu, isto é, pelo Exército Nacional Hebreu, logo era justificável.
Portanto, não há amparo bíblico para se proibir um cristão de usar o fuzil e defender seu País contra outras nações, bem como para defender a Sociedade contra os criminosos. Individualmente um cristão não pode matar, mas servindo à sociedade e à Pátria ele está autorizado a matar, logicamente dentro dos limites da lei. A lei de genocídio contra os cananeus foi dada por Deus, cabendo aos hebreus cumpri-la sem ponderação; assim também hoje, se um cristão receber uma ordem semelhante, terá de cumpri-la. Doutra forma estará desobedecendo à autoridade, a qual é MINISTRO DE DEUS, por conseguinte estará desobedecendo a Deus.
O leitor mais culto, secularmente, já deve está cheio de questões tais como: 'Então Hitler foi ordenado por Deus?' Ora, quando Paulo disse que "não há autoridade que não venha de Deus" devemos lembrar que o imperador romano era NERO. Lembro-me que em 1985, Tancredo Neves disse que se obtivesse determinado número de votos do PDS, "nem Deus lhe tiraria a vitória". Pergunto-vos: qual foi o resultado? Sequer assumiu a Presidência da República Federativa do Brasil, apesar de ter vencido as eleições no Colégio Eleitoral, pois adoecera, vindo a falecer em 21 de abril de 1985, sendo Presidente em seu lugar o Sr. José Sarney.
Em Daniel 4:17 lemos: "Esta sentença é por decreto dos vigias, e por mandado dos santos; a fim de que conheçam os viventes que O ALTÍSSIMO TEM DOMÍNIO SOBRE O REINO DOS HOMENS, E O DÁ A QUEM QUER, e até o mais humilde dos homens constitui sobre eles."
O espanto que essas afirmações estão causando aos leitores é cumprimento da palavra profética bíblica. Todos nós nos preocupamos em interpretar o sonho de Nabucodonosor, o da estátua, como se referindo à Babilônia, ao Império Medo-Persa, à Grécia, à Roma e aos dez reinos, porém algo de importantíssimo é deixado à parte pelos exegetas, a saber, a qualidade - por conseguinte o valor - dos metais da estátua vai diminuindo. O ouro da Babilônia, se torna a prata dos medo-persas, que vira o bronze dos gregos, que vira o ferro dos romanos, que vira o ferro misturado com barro dos dez dedos.
O que significa isso? Significa a decadência do princípio da autoridade. O fundo do poço será no aparecimento do Anticristo, o qual é denominado de "o iníquo", no grego "anomos", ou seja, o desordeiro. Cada vez mais veremos "leis" em defesa do divórcio, união entre homossexuais etc.; ou seja, o espírito do Anticristo, o espírito da desordem em ação. Esta é a razão da desordem social e política que existe hoje e quando alguém, como este signatário, surge para combater a desordem é classificado de nazista, fascista e outras coisas mais, pois o homem moderno, eivado do espírito da desordem, não aceita de forma alguma qualquer atitude que represente o retorno da ordem.
Entretanto, antes do Rei dos reis voltar, haverá alguns "soluços de ordem" no Brasil e em algumas partes do mundo, pois "Quanto ao que viste dos pés e dos dedos, EM PARTE DE BARRO DE OLEIRO, E EM PARTE DE FERRO, isso será um reino dividido; contudo HAVERÁ NELE ALGUMA COISA DA FIRMEZA DO FERRO, pois que viste o ferro misturado com barro de lodo."
Por Melquisedec do Nascimento - 1º Ten PMERJ
O autor é militar cristão, 1Ten PM do Rio de Janeiro - PMERJ/GETAM, com importantes trabalhos publicados nas áreas de Antigo Testamento e Escatologia.
http://www.militarcristao.com.br