sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

LIMITE


Limite em português é uma linha que marca o fim de uma extensão.

“Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria quanto da ciência de Deus! Quão insondáveis são os teus juízos, e quão inescrutáveis os teus caminhos! Quem compreendeu a mente do Senhor? Ou quem é o seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? Porque dEle e por Ele são todas as coisas, glória, pois, a Ele eternamente. Amém.” (Rm 11:33-36)

- O apóstolo Paulo fala da palavra profundidade e o seu sinônimo com a força da declaração, a fim de transmitir a idéia de algo sem medida, ilimitado, ou seja, que a mente humana não pode calcular.
Ele usa a próxima palavra riqueza: ela é usada para indicar a redenção humana e suas bênçãos espirituais abundantes. Compreendemos aqui que os recursos usados pelo Senhor são ilimitados no que se refere à Salvação da Humanidade e também o método usado por Ele.
Sabedoria: Temos aqui os insondáveis recursos divinos de “Julgamento” que o Senhor utiliza fatos e conhecimento ilimitado de maneira ordeira e beneficente.
Conhecimento: Essa palavra nos dá a idéia de compreensão perfeita e universal, sobre a qual as decisões e ações de Deus se fundamentam, resultando em ações derivadas de sua justa sabedoria ilimitada.
Quão insondáveis são os teus juízos: A palavra insondável quer dizer, aquilo que não pode ser sondado, encontrado ou descoberto, aquilo que é inescrutável, algo que ultrapassa a sabedoria mental do homem.
Devido à limitação humana, os métodos e ações justas do Senhor, não podem ser acompanhados pelo homem. A mente humana perde-se ao tentar acompanhar as ações do Senhor.
- No capítulo trinta e oito de Jó, havia terminado os discursos terríveis dos quatro críticos de Jó. O tema principal do Livro de Jó é a adoração desinteressada.
1º Continuaria um homem a adorar e a servir a Adunai, se viesse a sofrer severas aflições e houvesse toda “razão” para perder a Esperança?
2º Ou um homem só continuaria a adorar a Deus se isso o beneficiasse pessoalmente?
Não e dada nenhuma palavra, ou melhor, resposta racional ao problema do mal do livro de Jó, embora sejamos exortados a confiar na Providência Divina com “Fé Cega”, em sua maior parte.
- Jó então exige uma entrevista com “Deus” com o poder ilimitado, a fim de apresentar diante do tribunal divino e provar sua inocência.
Continua...