terça-feira, 26 de março de 2013

Ampliando a fé

(Extraído do livro: Estudos no Sermão do Monte, Martin Lloyd Jones, Ed. Fiel)

Nos versículos 31 e 33 no capítulo 6 do livro de Mateus, o Senhor apresenta uma abordagem positiva sobre a questão da pequena fé. Além de devermos tomar conhecimento de causa, nos importa ter uma fé maior. Assim Jesus introduz a palavra “portanto”, nos animando após o que havia sido discursado. Disse Ele: “Portanto – à luz destes fatos-, não vos inquieteis dizendo: Que comeremos? Que beberemos? Ou: Com que nos vestiremos?”. Nosso Senhor mostrava-nos aqui a maneira positiva de vermos aumentada a nossa fé. “...porque os gentios é que procuram todas estas coisas; pois vosso Pai celeste, sabe que necessitais de todas elas...” (Mateus 6:32)
O argumento essencial do Senhor é que nós, como crentes que somos, devemos ser diferentes dos gentios. Se você deseja aumentar sua fé então a primeira coisa que lhe convém fazer é perceber que andar preocupado e ansioso a respeito das coisas, é estar vivendo tal e qual os gentios, cuja palavra significa ímpio. Os ímpios eram pessoas que não tinham qualquer revelação de Deus e não tinham conhecimento dEle. Não dispunham das escrituras do Antigo Testamento, faltando-lhes conhecimento e viviam “sem Deus no mundo” (Efésios 2:12). Assim, a sua perspectiva de vida era inteiramente limitada aos seus próprios pensamentos, carecendo da luz dada do alto. Encaravam as coisas como puramente acidentais (teoria da contingência) ou mesmo de forma oposta como se tudo o que tivesse que ser, assim o seria (teoria do fatalismo).
O ponto de vista do cristianismo é aquele que pode ser descrito como a teoria da certeza. Diz-nos tal doutrina que a vida não é controlada por alguma necessidade cega, mas que determinadas coisas são inevitáveis porque estamos nas mãos do Deus vivo. Portanto, se você é crente, deve confrontar essa doutrina da certeza com as teorias contingência e do fatalismo. Segue-se que se esse é o nosso ponto de vista fundamental. Segue-se que se é o nosso ponto de vista fundamental da vida neste mundo, isso haverá de determinar toda a vossa maneira de viver, controlando toda a nossa maneira de viver, controlando todos os nossos comportamentos. “ Porque como imagina (o homem) em sua alma, assim ele é...” (Provérbios 23:7)
Para o pensamento ímpio, o mundo representara tudo quanto se reveste de valor para ele, que procurará aproveitar ao máximo a sua existência terrena. Tal pessoa estará tentando antecipar a contingência ou tentando de algum modo, escapar do fatalismo que a está escravizando. Tais indivíduos se mostram negligentes quanto às consequências e nem pensam em seu destino eterno. O Senhor Jesus resumiu isso declarando: “porque os gentios é que procuram todos estas coisas”.
Se estas coisas ocupam o primeiro lugar em nossas vidas, diz o Senhor Jesus, então em nada somos melhores que os ímpios, mas antes, somos indivíduos mundanos, dotados de mentalidade mundana. São crentes mundanos, vivendo preocupados com alimento e bebida, sempre falando de riquezas materiais e posses. As coisas controlam este indivíduo e conforme nos disse Cristo, ter essa atitude é viver como os ímpios, pois o crente não deveria se deixar controlar por tais coisas.
O povo de Deus neste mundo está aqui a fim de viver a vida de fé. Devem sempre se questionar como vivem neste mundo e se a fé cristã afeta seu ponto de vista e controla todas as questões de sua existência. O crente deve ser um indivíduo absolutamente diferente. E, se em cada pormenor de sua vida não se destaca o seu cristianismo, então ele é um crente bastante deficiente e dotado de pequena fé. Tudo o que acontece na vida do cristão deve então ser considerado à luz do contexto cristão e da vontade de Deus.
Você não é um gentio. Lembre-se de quem você é e viva em consonância com essa realidade. Eleve o nível de sua fé e mostre-se digno de seu elevado chamamento em Cristo Jesus. O Senhor Jesus declarou: “... pois vosso Pai celeste sabe que necessitais de todas elas” (Mateus 6:32). Coisa nenhuma nos pode acontecer fora da vontade de Deus pois Ele sabe tudo a nosso respeito, inclusive todos os nossos cabelos da cabeça estão contados. Deus não apenas vê o que está acontecendo ao crente, não apenas percebe quando este está doente, sofrendo solidão e tristeza e cada angústia. Jamais o crente precisará sentir-se ansioso, pois Deus está a todo o momento com ele, sendo o seu Pai.
Jamais se permita pensar, um momento sequer, que você está só. Jesus Cristo nos prometeu: “De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei” (Hebreus 13:5). Devemos, portanto concentrar-nos na tarefa de aperfeiçoarmos a nossa relação com Deus na qualidade de Pai amoroso, de modo inteiramente diferente dos ímpios. “Buscai, pois em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”. (Mateus 6:33)
A palavra buscai tem o sentido de anelar apaixonadamente, de buscar intensamente. Conforme Pedro diz: “... procurai com diligência cada vez maior, confirmar a vossa vocação e eleição...” (II Pedro 1:10). O autor da epístola aos Hebreus também coloca muito bem a questão quando diz: “... porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus, creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam” (Hebreus 11:6). Muitos cristãos deixam de receber bênçãos próprias da vida do crente por não buscarem a Deus diligentemente. Não passam muito tempo buscando a face do Senhor. Mas deste, espera-se que busque a face do Senhor diária e constantemente, arranjando tempo e aproveitando este momento ao máximo.
Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra” (Colossenses 3:2). Este é o sentido de se buscar o reino de Deus. Jesus acrescentou também, buscar a sua justiça, enfatizando a santidade e a vida de retidão que o cristão precisa manifestar. “Bem aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos” (Mateus 5:6). O convertido deve procurar ser mais semelhante a seu mestre e é dessa forma que a nossa fé se amplia.
Quanto mais santos nos tornamos, mais próximos estaremos de Deus e maior se tornará consequentemente a nossa fé. É o indivíduo que busca o reino de Deus e a sua justiça que adquire maior confiança no Senhor. Quanto mais próximos vivermos de Deus, menos nos importaremos com as coisas desta vida e maior será o seu senso de segurança em Deus.